Poema sem nome [120]

a vida está morta
e a culpa não é só minha
porque dentro de mim
da melhor forma que pude
tentei mantê-la intacta
longe da realidade
mesmo que uma seja a outra
e a outra seja uma

o que importa no fim?
nada
e não adianta
porque o desespero dessa
causa
– que é viver –
imita o impossível
imita o incerto que é
ser um ser
com sentimentos
e com pensamentos
que caem em contradição
quando a boca abre e produz
a voz que nos calará

nós mesmos
NÓS MESMOS

e extinguiremos aquilo
que nunca existiu de fato
a estrada já esburacada
que é a vida morta

morta vida
[eu]

Horácio Pontes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s